Google+
 

Category Archives: Natureza

Chile eleito o melhor destino para turismo de aventura

chile-5

Pelo segundo ano consecutivo, o Chile foi eleito o melhor destino do mundo para turismo de aventura. O título foi entregue pelo World Travel Awards, um dos mais prestigiados eventos do setor, considerado o ‘Oscar do turismo’. Nossos vizinhos sul-americanos bateram países como Austrália, Canadá, Equador, Japão, Nova Zelândia, Sri Lanka, Tailândia e Estados Unidos. A 24ª edição do prêmio aconteceu em Phu Quoc, no Vietnã, no dia 9 de dezembro. O evento acontece anualmente e homenageia quem mais se destacou durante a temporada anterior.

chile-1

Com o passar dos anos, o Chile tem se consolidado como um dos mais atraentes e valorizados destinos do continente. O país passou de 2,8 milhões de turistas anuais em 2010 para 5,6 milhões em 2016, duplicando a estatística e com um crescimento médio por ano de 12,8%. Segundo o Ministério da Economia, Fomento e Turismo, 51% dos estrangeiros que desembarcaram no Chile em 2016 disseram estar ali pela natureza, as paisagens, a flora e a fauna chilena.

chile-2

O Lonely Planet, um conhecido guia de viagens, elegeu o país como destino imperdível para quem pretende viajar em 2018. O Chile possui o deserto mais árido do mundo, o Atacama, a Cordilheira dos Andes, o oceano Pacífico, a Patagônia chilena, os vulcões e as geleiras como principais atrações. A principal porta de entrada é a capital Santiago, que tem voos diretos saindo dos principais aeroportos do Brasil.

Fonte: Hypeness

Gostou? Então compartilhe!Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Share on LinkedInEmail this to someone

Luxo à beira do mar em Moçambique

familia_05

Nas ilhas Benguerra, que compõem o arquipélago Bazaruto, em Moçambique, um dos poucos espaços habitados oferece uma hospedagem tranquila, com direito a pé na areia e vista para o oceano de águas cristalinas. Ali está situado o Benguerra Lodge, hotel que dispõe de 10 cabanas rústicas – todas recém-reformadas pelo escritório de arquitetura londrino Michaelis Boyd Associates.

familia_03

Elementos típicos da região, como telhados de palha, estrutura de madeira e paredes de junco, permeiam a arquitetura dos 15 quartos existentes, finamente decorados pela designer de interiores Marguerite Louw, que misturou elementos africanos com design colonial português.

dhow_bar_0

As cabanas são interligadas por decks de madeira que, através de um sinuoso caminho arborizado, conduzem até às piscinas de borda infinita em frente ao mar. O escritório de arquitetura também adicionou espaços de lazer na área externa dos quartos, com chuveiros e camas suspensas, protegidas do sol.

benguerra2_061_cabana

Mais escondido na mata está o amplo edifício principal, de madeira e palha, que concentra recepção, restaurante e uma loja. O bar, por sua vez, fica em um lugar curioso: na areia, abrigado por um antigo barco trazido do mar por um ciclone há anos, que foi cuidadosamente restaurado para fornecer bons drinks ao anoitecer.

benguerra2_020_casinha

Fonte: Casa Vogue

Gostou? Então compartilhe!Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Share on LinkedInEmail this to someone

Esta ilha europeia quer mais turistas e até moradores

Sabe aquele desejo de fugir para uma ilha pequena e isolada para começar uma vida nova? Se você tem essa vontade, talvez seja a hora de considerar uma mudança para a pequena ilha Stronsay, na Escócia, que tem uma população de apenas 370 habitantes e está com uma campanha para atrair visitantes – e futuros moradores. As informações são do “The Guardian”.

azfqs573qvnzl06mrbtzosu2e

A ilha chama atenção por causa da onda anti-turismo que marcou a Europa em 2017, quando muitos destinos, incluindo Veneza, Barcelona e a ilha escocesa de Skye se queixaram do turismo excessivo. Com as campanhas “Visit Orkney” and “Visit Scotland”, Stronsay, conhecida por belas falésias, cavernas do mar e praias de areia branca, está se divulgando como um mundo longe do estilo de vida da cidade grande, onde os moradores “mantêm uma comunidade com uma vida social e cultural rica sustentada por um senso de lugar, liberdade e auto-suficiência com o qual muitos habitantes da cidade, frustrados com o ritmo frenético da vida moderna, só podem sonhar”.

Com a campanha, Stronsay espera poder duplicar o número de turistas nos próximos três a cinco anos. Atualmente, o local atrai 600 visitantes por ano, que chegam de barco ou avião, saindo da cidade de Kirkwall. Entre as atrações estão o arco natural de rochas e as falésias de Odin Bay.

27fr4zeozplfvstgizlv6o6px

Dianne Riley-Moore, membro do grupo da comunidade criador da campanha, saiu de Londres há sete anos para viver em Stronsay, onde abriu um centro de artesanato. “Esperamos que, ao aumentar o turismo, possamos criar empregos adicionais que trarão mais moradores, sejam aposentados ou famílias jovens”, diz ela.

“Temos uma escola pequena, brilhantemente equipada e dotada de recursos, um sistema de saúde fantástico e um ambiente seguro e sem crime”, afirma ainda Dianne, que diz que a ilha é um lugar verdadeiramente único para viver. “A comunidade é ativa e amigável, mas todos têm a liberdade de serem tão envolvidos ou tão solitários quanto desejam”.

Fonte: Ig

Gostou? Então compartilhe!Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Share on LinkedInEmail this to someone

O rio mais bonito do mundo

Perto da região de Metal, na Colômbia, a cerca de 900 quilômetros da capital Bogotá, fica o Caño Cristales, considerado o rio mais bonito do mundo – também chamado de rio arco-íris.

rio-mais-bonito-do-mundo-colômbia-01

O apelido não é por acaso, já que o rio Caño Cristales realmente apresenta diversas colorações de acordo com a época do ano, parecendo um arco-íris que serpenteia entre a vegetação e as pedras da região. Uma vista de tirar o fôlego.

rio-mais-bonito-do-mundo-colômbia-03

O fenômeno acontece principalmente entre os meses de junho e novembro, quando a quantidade de água no leito do rio está na quantidade certa para reagir sob a luz do sol e a presença da alga conhecida como macarenia clavigera, a grande responsável pelas cores do rio, chega ao seu ápice.

Mario Carvajal

Os tons da água variam ao longo do curso do rio entre amarelo, vermelho, azul e verde, deixando a paisagem com cara de fantasia. Milhares de pessoas vão conhecer o Caño Cristales todo ano, sempre em busca de imagens deslumbrantes. E o rio mais bonito do mundo não decepciona!

Mario Carvajal

 

Gostou? Então compartilhe!Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Share on LinkedInEmail this to someone

Fregate Private Island: Um paraíso particular

Localizado em uma ilha particular de 2,19 quilômetros quadrados, em meio ao Oceano Índico, o Fregate Private Island é uma joia de conforto e exclusividade nas Ilhas Seychelles. Parte do grupo Oetker, o empreendimento conta com apenas 16 bangalôs de 400 m² a 700 m² encravados nas rochas, de frente para o mar.

fregate-island

Naturalmente isolados pela geografia da ilha, todos contam com terraço e piscina de borda infinita privativos, além de banheira de hidromassagem. A estadia mínima de sete dias sai a partir de 4.050 euros por diária.

fregate-island-1

No total, a propriedade oferece sete praias de águas azul-turquesa e quentes, sendo que os hóspedes (se não reservarem a ilha toda para seu grupo) podem requisitar exclusividade de uma das praias por um período previamente programado. Durante a estadia é possível praticar diferentes atividades aquáticas, tais como vela, windsurfe, caiaque, snorkeling, mergulho ou pesca em alto-mar.

velaa-private-island-resort-138232-xl

O restaurante da ilha é reconhecido internacionalmente e tem nada mais nada menos que seis estrelas Michelin. O jantar ainda conta com uma exuberante vista para o Oceano Índico. A ilha possui doislounges - sendo um casual e outro mais formal, para a noite. Ambos mesclam uma decoração tradicional com design contemporâneo exuberante.

E você, levaria quem para essa ilha deserta?

banyan-tree-seychelles-hotel-730x365

Gostou? Então compartilhe!Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Share on LinkedInEmail this to someone

Nadando com as águas vivas no Oceano Pacífico

jelly7

Nadar no meio de milhões de águas vivas não parece estar nos planos de muita gente, até porque o resultado pode não ser o melhor. Mas no conhecido “Jellyfish Lake“, isso é possível! O lago das águas vivas fica na ilha Eil Malk, no Palau, Oceano Pacífico.

jelly8

Todos os dias, os seres da espécie Mastigia, também conhecida como “dourado”, migram através deste lago marinho de águas salinas, que se conecta ao mar – que recuou há cerca de 12 mil anos – através de túneis e fissuras nas pedras calcárias que o envolvem. Mesmo cercado por terra e isolado do oceano, o lago retém as águas-vivas a tal ponto que elas não usam mais seus ferrões, visto que não há mais predadores no lago. E é isso que possibilita o inusitado mergulho.

jelly1

Embora o mergulho seja possível, chegar abaixo de 15 metros pode ser fatal devido uma camada de sulfeto de hidrogênio altamente tóxico e que pode ser absorvido pela pele. Dizem que pessoas mais sensíveis também podem ter a pele incomodada pelas águas vivas douradas.

jelly3

Atualmente, a probabilidade é de que ao menos 2 milhões dessas encantadoras criaturas vivam ali. Elas nadam duas vezes ao dia pela extensão do lago em busca de aumentar a luz solar que recebem. Embora pareçam enormes, muitas delas são pequeninas, até menor do que um punho humano.

jelly14

Você teria coragem?

Fonte: Nômades Digitais

Gostou? Então compartilhe!Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Share on LinkedInEmail this to someone

O país menos visitado do mundo

Às vezes nos deparamos com nomes de países que nunca tínhamos ouvido falar. São nações pequenas e pouco populosas, que não estão entre as opções de destinos da grande maioria dos turistas. Mas não se engane: não é porque não estão nos roteiros populares que alguns países não tenham atrativos para quem quer explorar lugares encantadores.

8698113879_91ce330112_z

O principal exemplo disso é o Kiribati, considerado o país que menos recebe turistas no mundo – segundo a ONU, ele recebeu apenas seis mil visitantes em 2014! A ex-colônia britânica fica no meio do Pacífico e é formado por 33 ilhas e atóis, sendo 21 delas inabitadas. O país é dividido em três grupos de ilhas: Ilhas Gilbert, Ilhas da Linha e Ilhas Phoenix, e sua capital está localizada bem no meio do caminho entre a Austrália e o Havaí.

kiribati4-1

Por estar na altura da linha do Equador, Kiribati tem clima tropical, quente e úmido. Com as mudanças climáticas do planeta e a elevação do nível do mar, grande parte do país está ameaçada e pode desaparecer.  A preocupação é tanta que o governo já cogitou comprar ilhas em Fiji para que no futuro a população seja deslocada.

kiribati-001

Suas praias de águas cristalinas com areias claras e vegetação tropical quase intocada fazem de Kiribati é verdadeiro paraíso. Entre as principais atrações estão a observação de pássaros, mergulho, surfe, pescaria, passeios históricos que remetem à segunda guerra mundial e a receptividade da população local. Apenas duas companhias aéreas realizam voos à Kiribati. Portanto, os turistas interessados em conhecer as ilhas precisam partir de Fiji, Brisbane, na Austrália, ou de algumas ilhas vizinhas.

Gostou? Então compartilhe!Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Share on LinkedInEmail this to someone

Ilha só para mulheres

As vezes passar férias em um lugar onde não existam homens é tudo o que uma mulher quer na vida e isso já é possível em grande estilo. Kristina Roth, uma empresária norte-americana, criou a SuperShe Island, uma paradisíaca ilha particular na Finlândia, na costa do Mar Báltico, onde apenas mulheres podem ir.

1517586681253

A ideia surgiu depois que Kristina passou vários feriados restauradores na Califórnia sem a presença masculina e percebeu que poderia ser muito mais divertido do que acompanhada.

1517586881449

Ela ama ambas as experiências (sozinha e acompanhada), mas descobriu que a presença masculina parece mexer com as vibrações relaxantes. “Quando há homens por perto, as mulheres imediatamente colocam o batom”, ela disse ao The Post. A ideia da ilha é concentrar-se em si mesma.

1517594734042

Roth decidiu iniciar a ideia na Finlândia depois de se apaixonar pelo local. “Meus pais possuem uma ilha no arquipélago, e ficavam me dizendo, a ilha ao lado está à venda”, ela contou ao The Post. “Eu disse, não estou interessada, mas uma vez que vi o lugar, me apaixonei pela utopia arborizada”. E ela a comprou. Até o momento, apenas ela e suas amigas estiveram lá, mas a partir de junho a SuperShe Island começará a funcionar.

1517586769637

“Atividades dentro e ao redor da ilha, como trilhas, caiaque, esqui aquático, ioga e alguns cursos sobre temas como nutrição. Será uma experiência de transformação em muitos níveis, para se reinventar, trocar ideias, fazer negócios, entrar em forma e aprender um novo hobby ou dois”, conta a empresária.

Fonte: Hypeness

 

Gostou? Então compartilhe!Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Share on LinkedInEmail this to someone

Paisagem exótica no Líbano

gcom_caverna_libano_07

As cachoeiras são destinos adorados por 10 entre 10 pessoas que gostam de passar um tempo em meio à natureza. Tais fenômenos naturais fascinam o ser humano pela beleza das quedas d’água e pela propriedade de relaxamento que eles têm. Imagine, então, deparar-se com uma catarata que atravessa três cavernas de calcário antes de se juntar a um belo lago translúcido? O que pode parecer um cenário fantasioso criado por computação gráfica para filmes de Hollywood, na verdade é bem real e fica em Tannourine, no Líbano.

gcom_caverna_libano_01

A cachoeira do Cânion de Baatara forma-se na primavera, época do degelo do monte Líbano. Com o passar de milhões de anos, a ação fluvial acabou escavando tal estrutura geológica, também conhecida como Abismo das Três Pontes. A cascata de 250 m de altura deságua em um abismo de calcário de cerca de 160 milhões de anos.

gcom_caverna_libano_03

Apesar de ser um espetáculo natural difícil de resistir, é desaconselhado por guias locais que turistas caminhem sobre as pontes formadas. Além de apresentarem superfície escorregadia, o tráfego de pessoas pode acabar ocasionando a destruição das formações rochosas.

 

Gostou? Então compartilhe!Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Share on LinkedInEmail this to someone

Já imaginou viajar para a Mongólia?

Para viajantes aventureiros, não há nada que chame mais a atenção do que um destino pouco explorado pelos turistas. Para essas pessoas, a Mongólia, país na porção central da Ásia, pode ser o local perfeito para alguns dias de férias. Com belezas naturais como o deserto de Gobi e festivais que celebram a cultura local, como o Naadam, o país é um destino pouco visitado, mas com muito potencial.

Goyo-Travel-Mongolia-Khovsgol-Lake

Entre a China e a porção central da Rússia, a Mongólia tem o mesmo tamanho do Estado norte-americano do Alasca e é o 19º maior país do mundo. Ulan Bator, ao Norte, é a capital com menor temperatura média: -5º C, com média de -25º C no inverno. E as peculiaridades não param por aí: com 2,9 milhões de habitante e 1,5 milhão de km², é o país com a menor densidade demográfica do planeta. Cerca de 96% da população pertence à etnia dos mongóis. Ainda que não faça divisa com o Cazaquistão, o país, que fica a 38 km da fronteira Oeste, sofre influência da cultura casaque em sua porção Oeste.

gobi-desert-mongolia

Para quem não dispõe de muito tempo no país, uma visita ao deserto de Gobi, ao Sul, já mostra um pedaço das belezas inóspitas da região. Ao Norte, as pradarias na fronteira com a Rússia tem um clima quase subpolar e podem chegar a temperaturas de -40º C no inverno. Com um pouco mais de tempo, é possível visitar os templos budistas espalhados pelo país. O budismo é a religião de 89% da população e as construções milenares estão em todos os lugares.

caption

Para quem viaja de julho a outubro, o festival de Naadam é um dos principais acontecimentos do país e inclui três competições principais: arco e flecha, luta livre e corrida a cavalo.

Naadam-Festival-

A Mongólia oferece várias programações inusitadas para quem não gosta do turismo tradicional. No vale Yol, no deserto de Gobi, os viajantes podem explorar o local em caminhadas e vislumbrar geleiras eternas no topo da cadeia de montanhas da região, inclusive nos dias mais quentes. Para quem tem interesse em dinossauros, o Sul do país é cheio de sítios arqueológicos que têm exposições de, inclusive, ovos de dinossauros.

4

A melhor época para visitar a Mongólia é entre junho e agosto, por conta das temperaturas mais elevadas (que, na capital, não passam dos 14º C).

Gostou? Então compartilhe!Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Share on LinkedInEmail this to someone