Google+
 

Category Archives: Cultura

Museu Chaplin

f15_chaplin_s_world_by_grevin_photo_annik_wetter_yatzer

Um dos maiores ícones do cinema de todos os tempos tem um museu exclusivo. A mansão em que Charles Chaplin viveu os últimos 25 anos de sua vida, na cidade suíça de Vevey, foi transformada em museu temático e já está aberta a visitação. A propriedade e o parque de 14 hectares com a vista panorâmica do Lago Léman vão fornecer uma visão da vida cotidiana dos Chaplins, em um projeto concebido pela empresa francesa Grévin, responsável por diversos projetos internacionais de museus de cera e parques temáticos.

p2_chaplin_s_world_by_grevin_manoir_yatzer

f6_chaplin_s_world_by_grevin_studio_yatzer

A empresa promete “uma encenação que vai catapultar o observador num universo cheio de ilusões e sonhos”. Os visitantes poderão conhecer melhor não somente o artista, mas também a pessoa de Charlie Chaplin.

f3_chaplin_s_world_by_grevin_manoir_yatzer

f7_chaplin_s_world_by_grevin_studio_yatzer

A parte interna da “Manoir de Ban”, como é chamada a propriedade, foi completamente esvaziada e reformada. Entre outros, surgiu um novo edifício-estúdio, em que Chaplin é apresentado como artista. Ali se encontra uma sala de cinema com 150 lugares, onde poderão ser vistos clássicos. Os curadores avaliaram 81 filmes e 15 mil fotografias, para apresentar tudo da forma mais original possível.

p1_chaplin_s_world_by_grevin_restaurant_yatzer

f8_chaplin_s_world_by_grevin_studio_yatzer

Há também uma série de objetos de recordação, que os filhos de Charlie Chaplin colocaram à disposição. Entre eles, álbuns de fotos, filmes de família, como também a mala do filme O vagabundo, marca registrada desse herói tragicômico do cinema.

Hoya_Museu-chaplin5

f4_chaplin_s_world_by_grevin_manoir_yatzer

Gostou? Então compartilhe!Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Share on LinkedInEmail this to someone

Museu Star Wars

São Francisco tenta há anos que o cineasta George Lucas construa o museu de Star Wars em seus limites, mas perdeu para Los Angeles. Chamado de Lucas Museum of Narrative Art, o cobiçado espaço será construído em L.A. e contará com obras de arte, ilustrações, quadrinhos e a coleção pessoal do próprio cineasta, adquirida durante filmagens.

Museu-2

Apelidado oficialmente de Star Wars Museum, apesar dos planos incluírem mostras e coleções que não têm a ver com a saga, ele será erguido no Exposition Park, perto da University of Southern California.

A coleção pessoal de Lucas inclui 40 mil pinturas, itens de filmagem e figurinos de obras como O Mágico de Oz, Casablanca, além de muitas recordações de Star Wars.

la-1477542843-snap-photo

Não se sabe ainda quando o Lucas Museum of Narrative Art será inaugurado, mas as suas representações mostram uma estrutura bastante significativa: um edifício de aproximadamente 80 mil metros quadrados.

Fonte: Nômades Digitais

 

Gostou? Então compartilhe!Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Share on LinkedInEmail this to someone

Escadaria restaurada pela Bulgari

A conservação e a restauração de bens históricos culturais de uma cidade abocanha uma grande fatia do orçamento público e isso, quando ganham a atenção e os cuidados que merecem. Alguns podem achar um investimento supérfluo mas vale parar para pensar: o que seria de muitas economias locais sem a generosa soma que entra do turismo?

bulgari-escadaria

Nos últimos anos, as marcas de moda italiana deram uma lição de investimento histórico na Itália – país que enfrentou uma grande crise econômica. Cada uma cuidou de uma grande e famosa obra arquitetônica de sua cidade de origem ou de sua região. A Fendi restaurou a imponente Fontana di Trevi (de 1732), na capital italiana, com um investimento de 2,4 milhões de euros e um ano e meio de trabalho. A Diesel destinou 5,5 milhões de euros para restaurar a Ponte di Rialto (construção do ano 1588) de Veneza, a cidade mais conhecida e que mais atrai turistas no Veneto. A florentina Salvatore Ferragamo doou 600.000 euros para a reforma de oito salas da Galleria degli Uffizi (fundada em 1581), pinacoteca que abriga a Primavera e O Nascimento de Vênus de Sandro Botticelli, entre tantas outras obras de tamanho valor em Florença. A Tod’s investiu 25 milhões de euros na região vizinha e restaurou o Coliseu de Roma.

Brogi_Giacomo-580x453

Agora é a vez da Bulgari, que foi fundada em Roma em 1884 por Sotirio Bulgari, restaurar um cartão postal da cidade que recebe cerca de 36 milhões de turistas ao ano. Até Audrey Hepburn passou por lá em “A Princesa e o Plebeu”, (Roman Holiday), de 1953. A joalheria romana de luxo investiu 1,5 milhão de euros e um ano de trabalho para limpar, proteger e refazer a fundação de alguns degraus da escadaria da Trinità dei Monti, construída entre 1723 e 1726 pelo arquiteto Francesco De Sanctis (1693 – 1740). A escadaria fica na Piazza di Spagna (Praça da Espanha) – que até o século XVII era conhecida como Piazza di Francia (Praça da França) – e leva até a Santissima Trinità dei Monti (Igreja da Santíssima Trindade dos Montes).

Fontana-della-Barcaccia-580x375

Gostou? Então compartilhe!Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Share on LinkedInEmail this to someone

Rota dos quadrinhos, na Bélgica

Fãs de street art e histórias em quadrinhos tem programa certo em Bruxelas, Bélgica. Lá existe a “Comic Book Route”, ou seja, uma rota dos quadrinhos! O percurso leva ao longo de vários muros e edifícios onde mais de 50 murais foram coloridos com os personagens de desenhos locais, como Tintin, Smurf, Asterix, Lucky Luke, Gaston, entre outros.

ftc-bruxelas-rota-dos-quadrinhos

O projeto começou em 1991 por iniciativa do governo local, para comemorar a longa relação da Bélgica com as histórias em quadrinhos que, aliás, são o orgulho do país. Tintin e seu fiel escudeiro, o cachorrinho Milu, se tornaram símbolo da cidade e até artigo de museu. Hergé, seu criador, liderou o movimento dos quadrinhos belgas e, até hoje, o país (e particularmente Bruxelas) consome muito da produção de HQs européias como forma de arte, entretenimento e, até mesmo, de crítica social.

São muitos lugares para visitar, e o site Follow the Colours criou um mini roteiro. Confira:

1 – Belgian Comic Centre – Museu de quadrinhos

Um exemplo de como os quadrinhos são importantes para a cidade é um museu dedicado exclusivamente a contar a trajetória de suas histórias. Mostra os precursores desse movimento cultural, assim como trabalhos contemporâneos e a trajetória dos personagens locais mais famosos. O ingresso custa 10 euros e a lojinha é cheia de itens legais para colecionadores, além de edições especiais dos principais quadrinhos do país publicados em diferentes idiomas.

ftc-bruxelas-obelix-comic-comic-strip-trail

2 – Praça Sablon

Nas ruas que dão acesso à praça Sablon, também conhecida como praça do chocolate graças às várias boutiques dedicadas à arte do cacau é possível encontrar muitos antiquários e lojas divertidas que vendem objetos para os aficionados em histórias em quadrinhos. Vale a pena dar uma volta por ali.

3 – The Cartoonist

Uma loja para quem ama quadrinhos! Tem todos os tipos de objetos relacionados a esse universo: quadrinhos, livros, pôsteres, action figures, além de peças para colecionadores e de decoração.

ftc-bruxelas-museu-herge-exterior

4 – Museé Hergé – O Museu de Tintim

Conta desde a criação, até a evolução dos seus traços e o amadurecimento dos personagens secundários e de seus vilões. Fica a  cerca de 40 km da capital belga, na cidade de Louvain-la-Neuve. O ingresso adulto custa 9,50 euros.

5 – La Boutique Tintin – A Loja Oficial do Personagem

São livros, roupas, lápis, bloquinhos, chaveiros e bonequinhos. A boutique (pequena, mas super válida) é especializada em produtos que trazem as aventuras do icônico personagem e sua turma. A loja fica pertinho da Grand Place e do metrô de mesmo nome (Rue de la Colline 13, 1000 Ville de Bruxelles). Há itens com preços de souvenir e outros bem mais caros. O difícil é sair dali sem nada nas mãos!

ftc-bruxelas-tintin-ernest

O circuito completo pode ser encontrado no site da prefeitura, que disponibiliza um mapa sinalizando todos os pontos dessa rota.

Gostou? Então compartilhe!Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Share on LinkedInEmail this to someone

Arte submersa na Europa

Um museu submerso com esculturas instaladas a até 14 metros de profundidade foi inaugurado recentemente em Lanzarote, a mais oriental das ilhas do arquipélago das Canárias – e também o último refúgio do escritor português José Saramago. O Museo Atlántico, primeiro desta espécie a ser criado na Europa, é a mais nova empreitada de Jason de Caires Taylor, escultor, ambientalista e fotógrafo criado entre a Europa e a Ásia que começou a ganhar notoriedade ao unir arte e conservação ambiental em instalações que se transformam em recifes para milhares de espécies marinhas.

lazer-museu-submerso-14

Com 300 trabalhos que compõem 12 instalações, o Museo Atlántico foi inaugurado em 10 de janeiro de 2017 e é a primeira obra do artista inglês a contar com construções arquitetônicas em escala real. É o caso do muro que faz parte da obra “Crossing the Rubicon”, com 30 metros de extensão, 4 metros de altura e 100 toneladas, cercado por 35 esculturas que representam seres humanos caminhando.

lazer-museu-submerso-12

Segundo o autor, a ideia é lembrar quão irrelevantes são as noções de território no universo natural. Os trabalhos foram instalados em profundidades que variam de 5 a 14 metros, alguns deles possíveis de serem observados em um mergulho livre com snorkel. Para ver as obras mais profundas é preciso mergulhar acompanhado de um guia.

Fonte: Casa Vogue

 

Gostou? Então compartilhe!Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Share on LinkedInEmail this to someone

Conheça Winter Park, vizinha de Orlando que vale à pena visitar

Orlando, na Flórida, é sinônimo de Disney, certo? Nem sempre! Nos arredores da cidade, a cerca de meia hora dali, existe uma outra muito mais pacata, Winter Park. Com uma boa dose de luxo, o lugar tem muito a oferecer, principalmente quando se fala em boa gastronomia e cultura. Com cara de interior, a cidade foi fundada por clássicas e ricas famílias da Nova Inglaterra. Depois disso, ganhou desenvolvimento com a chegada da ferrovia, em 1985, e da primeira Universidade da Flórida.

parkave2_gslide

Winter Park reúne atualmente parques, museus, restaurantes cinco estrelas, passeio de barco a beira de mansões e boas compras. Para quem tem pouco tempo para explorar a região, uma ótima dica é chegar bem cedo e garantir lugar no Boat Scenic Tour, barco guiado por simpáticos senhores já aposentados. O passeio tem cerca de uma hora e percorre três das sete lagoas da região. Entre carvalhos com mais de 250 anos e palmeiras é possível se deslumbrar com as enormes e luxuosas mansões de veraneio que ali se instalam – entre os proprietários da região está o brasileiro Silvio Santos.

winter_park_lake_home6_920

Terminado o passeio de barco, siga andando até Park Avenue, o point de luxo e dos bons restaurantes. O difícil vai ser escolher entre os muitos e apetitosos menus. Uma parada no museu de arte americana Charles Hosmer Morse também vale à pena. O espaço reúne uma coleção de obras de arte de encher os olhos do norte-americano Louis Confort Tiffany, herdeiro da famosa joalheira Tiffany & Co. que viveu no final do século XIX.

winterpark_nopatio1

Diferente dos conglomerados de compras de Orlando, as lojas de Winter Park são pequenas, exclusivas e com preços bem mais salgados que os dos outlets. Para quem não gosta da moda clássica e rococó, a dica é pular os provadores e ir direto para as lojas de variedades, como as de cozinha e de chocolates.

4wrj255r81nu9az6uuig34vp9

Com atrativos como estes, fica difícil não se encantar pela cidadezinha pouco conhecida ao lado da hiper famosa Orlando. Quando planejar uma viagem para os parques da Disney, que tal reservar um tempinho no cronograma para uma parada estratégica para desvendar o destino, comer e  bem, e fazer boas compras?

 

Gostou? Então compartilhe!Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Share on LinkedInEmail this to someone

A nova estrutura do Museu de História Natural, em NY

13042-amnh-gilder-center-proposed-facade-winter

Um dos museus mais conhecidos do mundo, o Museu Americano de História Natural de Nova York vai ganhar uma novidade em 2020, ano em que comemora 150 anos: um anexo de 250 mil m². A construção será dedicada ao ensino da ciência, com laboratórios, salas de aula, além de espaços expositivos que vão revelar a extensa coleção científica da instituição.

1_bCwEd5X

O projeto, nomeado de “Richard Gilder Center for Science, Education, and Innovation”, custará US$ 340 milhões e vai recuperar o coração físico do museu, concluindo conexões previstas no plano original, além de realizar a nova adição. A circulação também será melhorada, já que o museu cresceu entre 3 a 5 milhões de visitantes nas últimas décadas.

3-proposed-interior-gilder-center-central-exhibition-hall-west-view-to-theodore-roosevelt-park

A estrutura é inspirada em ambientes naturais, como favos de abelhas, revelando, por meio de aberturas orgânicas, o que há por trás dos andares. Ao entrar no espaço, a luz natural de cima e a visão para várias as atividades do interior convidam a um movimento, para uma compreensão mais profunda do centro de exibições. O projeto arquitetônico surgiu da missão do museu.

2016-09-06-amnh-entry-view-edit

Fonte: Casa Vogue

Gostou? Então compartilhe!Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Share on LinkedInEmail this to someone

O paraíso dos perfumes de luxo na França

Alguns títulos não vêm à toa e falar de França é lembrar de perfume. Artigo de luxo em alguns lugares, de desejo em outros, o produto sempre desperta imagens e sensações. Uma magia que inspira amores e paixões, já foi tema de filmes, de comedias e tragédias, usado no dia a dia, para conquistar, com poderes religiosos ou por simples prazer.

luxo-grasse-1

A história do perfume é longa, começa no Egito Antigo, passando pelas mil e uma noites do oriente, até chegar no ocidente atual! Na França, há uma região conhecida pela fabricação do perfume: La Provence. Duas cidades do lugar são conhecidas por suas fábricas de aromas de luxo: Grasse e Eze.

luxo-grasse-5

A primeira, Grasse, é a mais conhecida, sendo a responsável por metade dos perfumes fabricados na França. Tudo começou com a produção de couro. O odor que esse tecido deixa não é dos mais agradáveis e a nobreza da época concordava com isso. Foi então que se teve a ideia de perfumar uma manta que seria dada de presente a Catherine de Medícis. Ela, claro, ficou encantada pelo presente e a moda pegou. Quando Nice destronou Grasse na produção de couro, que era extremamente caro na época, a pequena cidade se especializou na segunda industria que pairava pela cidade, o perfume.

luxo-grasse-8

Grasse começou a se especializar na arte de criar e fabricar esses líquidos tão especiais e únicos, e possui hoje grandes fábricas de perfumes mundialmente conhecidas. Produz também algumas essências como rosa de maio, lavanda e jasmim, importando outras de todas as partes do mundo. Curiosidade: O limão verde é a essência importada do Brasil.

luxo-grasse-9

Outra cidade absolutamente encantadora e conhecida por suas fábricas de perfumes é Eze, um pequeno vilarejo nas montanhas com uma atmosfera toda especial. Entre Nice e Mônaco, Eze é divida em duas partes, Eze Village que fica no alto e Eze sur mer, a praia. A primeira é uma das mais belas cidades da Cote D’Azur, sua cidade antiga ao estilo medieval é toda construída de pedra e suas pequenas ruas formam um labirinto encantador.

luxo-grasse-11

Gostou? Então compartilhe!Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Share on LinkedInEmail this to someone

Tradições de Ano Novo pelo Mundo

Viajar na época do Réveillon pode ser uma experiência inesquecível! Afinal, as celebrações ao redor do mundo podem ser bem diferentes da que conhecemos no Brasil. Veja algumas delas, selecionadas pelo Portal Uol.

Cabo da Boa Esperança, na África do Sul

cabo-da-boa-esperanca

No Cabo da Boa Esperança, a chegada do novo ano é comemorada com desfiles, como um Carnaval, no dia 2 de janeiro. A data se deve à libertação dos escravos na África do Sul, em 1830.

Bulgária

bulgaria

Na Bulgária, são os tapinhas nas costas que anunciam a chegada do novo ano. As crianças vão de casa em casa batendo nas costas dos moradores para desejar saúde e riqueza. No primeiro dia do ano, os búlgaros expulsam os maus espíritos com os “Kukeri”, homens que se vestem de monstros para espantar os vampiros.

China

china

O ano novo chinês acontece no 23º dia do último mês lunar, quando os chineses oferecem comida ao Deus da Cozinha, pedindo prosperidade à família e, cada ano é dedicado a um animal do signo chinês. As cores do ano novo chinês são vermelho e dourado, para trazer sorte e a comida é o guioza. Para eles, a queima de fogos atrai sorte e afasta as coisas negativas. Nesta época, os chineses trocam presentes ou dão a seus familiares envelopes vermelhos com dinheiro dentro.

Escócia

escocia

Os escoceses comemoram o Ano Novo das 8 horas do dia 31 de dezembro até às 6 horas do dia primeiro de janeiro. A data é considerada mais importante que o Natal e tem desfiles de gaiteiros e dançarinos típicos na rua principal de Edimburgo. À meia noite, os canhões do Castelo de Edimburgo são disparados e há uma grande queima de fogos, seguido de um solo feito pelo gaiteiro, que se posiciona no topo do castelo. Os escoceses trocam biscoitos para desejar boa sorte.

Atenas, na Grécia

atenas

Os gregos fazem um bolo com os mesmos ingredientes do panetone e colocam uma moeda de ouro dentro dele. Na virada do ano, o bolo é cortado e distribuído entre os participantes da festa e, acredita-se que, quem receber o pedaço com a moeda, terá sorte durante o ano todo. Sobre as romãs, os gregos jogam a fruta no chão para quebrar e então, a dividem entre os convidados.

Honolulu, no Havaí

havai

Em Honolulu, no Havaí, o ano novo é celebrado na praia, com balões que as famílias levam e soltam, em homenagem ao ano que está começando.

Holanda

holanda

Na Holanda, é ritual de ano novo a queima de carbureto, que consiste em colocar um produto inflamável e água em uma jarra e tampar a jarra com uma bola, que, na hora da explosão, vai voar e atingir até 70 metros de altura.

Índia

india

Na Índia, é costume atirar objetos que representam impurezas e doenças na fogueira e fazer queima de fogos nas ruas.

Tóquio, no Japão

toquio

O ano novo é a data mais importante no calendário japonês. Em Tóquio, os japoneses receberam 2015 soltando balões brancos que inundaram o céu na noite de Réveillon. É tradição fazer uma limpeza na casa e pendurar na porta uma corda de arroz, para afastar os maus espíritos. Na noite de 30 de dezembro, as famílias se reúnem para comer o sobá para atrair fortuna. Já na última noite do ano, os japoneses se reúnem no templo para a cerimônia das 108 badaladas que, segundo a tradição budista, serve para afastar os pecados e purificar as pessoas. No dia 1 de janeiro, os japoneses levantam cedo para a primeira visita a um templo budista ou santuário xintoísta e rezar por saúde e felicidade no novo ano.

Moscou, na Rússia

moscou

Na Rússia, o Réveillon é a principal festa do ano, já que não comemoram o Natal. Os russos de Moscou vão para a Praça Vermelha e tomam vodca, para esquentar enquanto assistem ao show de fogos de artifício. Mas as comemorações acontecem novamente no dia 13 de janeiro, quando é celebrado o ano novo ortodoxo.

 

Gostou? Então compartilhe!Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Share on LinkedInEmail this to someone

Roteiro astronômico pelo céu Chile

1_tour-astronomico_oaa-1024x561

Percorrer o Chile de norte a sul é como visitar mais de um país em uma única viagem. Dos canais estreitos e gelados dos fiordes, na Patagônia, ao cenário árido do Atacama, no norte do país, o viajante encontra uma das mais variadas geografias em um mesmo destino da América do Sul.

Mas não é só em terra que turistas são recebidos com uma das mais impressionantes paisagens da América do Sul. Com condições climáticas que garantem mais de 300 noites de céu aberto por ano, os céus do Chile são conhecidos, mundialmente, por sua nitidez. Conheça observatórios turísticos do Chile que estão abertos para visitas:

2rd1-1024x682

O Observatório Astronômico Andino se localiza a 20 minutos da capital chilena e está a 1.240 metros sobre o nível do mar. A visita noturna aberta ao público acontece em uma cúpula com três telescópios e um terraço de observação. O local oferece também observação diurna em três telescópios solares com filtro de Hidrogeno Alfa, o que permite apreciar detalhes do sol.

Com tours de 2h30 de duração, o Space ensina aos astrônomos de primeira viagem a observarem o céu a olho nu e até a lerem um mapa astronômico. Dividido em duas etapas que incluem até chocolate quente no final da visita, na sala da casa do astrônomo responsável pela experiência, o passeio permite também o uso de um dos 10 telescópios disponíveis.

1_paranal-trail-ut1-4-1024x682

Localizado a 2.635 metros sobre o nível do mar, em Taltal, sul de Antofagasta, o Observatório Paranal conta com o VLTP, o Very Large Telescope Project, um sistema de quatro telescópios ópticos de 8,2 metros de diâmetro, considerado o mais avançado do mundo.

As visitas guiadas de duas horas, aos sábados, permitem o uso dos telescópios desse observatório de alto nível científico, a 87 km ao leste de La Serena e a 2.200 metros sobre o nível do mar.

cerro_tololo_from_air

Gostou? Então compartilhe!Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Share on LinkedInEmail this to someone