Google+
 

Category Archives: Arte

NY e Grand Canyon ao mesmo tempo

O que acontece se você pensar em dois lugares contrastantes e as particularidades de cada um? É possível unir estas características de alguma forma? A reflexão do artista suíço Gus Petro em torno do assunto deu origem à série fotográfica Merge, que une os cenários de Nova York e do Grand Canyon através da manipulação digital de imagens.

fotografia_ny_grand_canyon_gus_petro_05

Em uma viagem para os Estados Unidos, o artista pensou nas sensações opostas que estes lugares lhe causaram, e os conceitos de vazio e densidade. “Fui ao Grand Canyon logo depois de visitar Nova York – o contraste entre as duas realidades era tão forte que precisei encontrar um modo de expressá-lo”, revela. Para criar perspectivas críveis, o artista contou com seu conhecimento agregado no passado, quando estudou arquitetura e urbanismo. O resultado são fotos que ao mesmo tempo afagam, por sua beleza, e incomodam, devido à estranheza que provocam.

fotografia_ny_grand_canyon_gus_petro_02

A série Merge é, na verdade, fruto da união das séries Empty, composta por fotos dos desertos e rochedos do Grand Canyon, e Dense, onde o amontoado de edifícios da Big Apple é retratado de perspectivas aéreas. “Uni Nova York, um local, ao que me parece, onde todos querem morar, ao Grand Canyon, onde é impossível viver”, mergulha mais fundo na filosofia o artista, nos convidando à reflexão.

fotografia_ny_grand_canyon_gus_petro_06

fotografia_ny_grand_canyon_gus_petro_01

Gostou? Então compartilhe!Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Share on LinkedInEmail this to someone

Rota dos quadrinhos, na Bélgica

Fãs de street art e histórias em quadrinhos tem programa certo em Bruxelas, Bélgica. Lá existe a “Comic Book Route”, ou seja, uma rota dos quadrinhos! O percurso leva ao longo de vários muros e edifícios onde mais de 50 murais foram coloridos com os personagens de desenhos locais, como Tintin, Smurf, Asterix, Lucky Luke, Gaston, entre outros.

ftc-bruxelas-rota-dos-quadrinhos

O projeto começou em 1991 por iniciativa do governo local, para comemorar a longa relação da Bélgica com as histórias em quadrinhos que, aliás, são o orgulho do país. Tintin e seu fiel escudeiro, o cachorrinho Milu, se tornaram símbolo da cidade e até artigo de museu. Hergé, seu criador, liderou o movimento dos quadrinhos belgas e, até hoje, o país (e particularmente Bruxelas) consome muito da produção de HQs européias como forma de arte, entretenimento e, até mesmo, de crítica social.

São muitos lugares para visitar, e o site Follow the Colours criou um mini roteiro. Confira:

1 – Belgian Comic Centre – Museu de quadrinhos

Um exemplo de como os quadrinhos são importantes para a cidade é um museu dedicado exclusivamente a contar a trajetória de suas histórias. Mostra os precursores desse movimento cultural, assim como trabalhos contemporâneos e a trajetória dos personagens locais mais famosos. O ingresso custa 10 euros e a lojinha é cheia de itens legais para colecionadores, além de edições especiais dos principais quadrinhos do país publicados em diferentes idiomas.

ftc-bruxelas-obelix-comic-comic-strip-trail

2 – Praça Sablon

Nas ruas que dão acesso à praça Sablon, também conhecida como praça do chocolate graças às várias boutiques dedicadas à arte do cacau é possível encontrar muitos antiquários e lojas divertidas que vendem objetos para os aficionados em histórias em quadrinhos. Vale a pena dar uma volta por ali.

3 – The Cartoonist

Uma loja para quem ama quadrinhos! Tem todos os tipos de objetos relacionados a esse universo: quadrinhos, livros, pôsteres, action figures, além de peças para colecionadores e de decoração.

ftc-bruxelas-museu-herge-exterior

4 – Museé Hergé – O Museu de Tintim

Conta desde a criação, até a evolução dos seus traços e o amadurecimento dos personagens secundários e de seus vilões. Fica a  cerca de 40 km da capital belga, na cidade de Louvain-la-Neuve. O ingresso adulto custa 9,50 euros.

5 – La Boutique Tintin – A Loja Oficial do Personagem

São livros, roupas, lápis, bloquinhos, chaveiros e bonequinhos. A boutique (pequena, mas super válida) é especializada em produtos que trazem as aventuras do icônico personagem e sua turma. A loja fica pertinho da Grand Place e do metrô de mesmo nome (Rue de la Colline 13, 1000 Ville de Bruxelles). Há itens com preços de souvenir e outros bem mais caros. O difícil é sair dali sem nada nas mãos!

ftc-bruxelas-tintin-ernest

O circuito completo pode ser encontrado no site da prefeitura, que disponibiliza um mapa sinalizando todos os pontos dessa rota.

Gostou? Então compartilhe!Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Share on LinkedInEmail this to someone

Cores em Madrid

geo1

As ruas de Madrid se enchem de cor, graças ao trabalho de Oscar San Miguel Erice, mais conhecido como Okuda. O talentoso artista, formado em Belas Artes pela Universidade de Madrid, cria imagens vibrantes usando os elementos naturais e urbanos como tela.

geo2

Sem se prender a uma única mídia, seu trabalho rompe as fronteiras da simples arte de rua e se transforma em uma vigorosa arte multidisciplinar, desde seus conhecidos graffitis em fábricas abandonadas à inusitadas intervenções, que vão de instalações em meio a florestas, praias e centros urbanos e periféricos.

geo22

Estampas geométricas multicoloridas e edifícios se misturam com corpos cinzentos e formas orgânicas. Estes poderiam ser classificados como Pop Surrealismo com uma essência clara da rua. Os trabalhos muitas vezes levantam contradições sobre o existencialismo, o universo, o infinito, o sentido da vida, a falsa liberdade do capitalismo, e mostram um claro conflito entre a modernidade e as nossas raízes.

geo18

 

Gostou? Então compartilhe!Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Share on LinkedInEmail this to someone

Arte submersa na Europa

Um museu submerso com esculturas instaladas a até 14 metros de profundidade foi inaugurado recentemente em Lanzarote, a mais oriental das ilhas do arquipélago das Canárias – e também o último refúgio do escritor português José Saramago. O Museo Atlántico, primeiro desta espécie a ser criado na Europa, é a mais nova empreitada de Jason de Caires Taylor, escultor, ambientalista e fotógrafo criado entre a Europa e a Ásia que começou a ganhar notoriedade ao unir arte e conservação ambiental em instalações que se transformam em recifes para milhares de espécies marinhas.

lazer-museu-submerso-14

Com 300 trabalhos que compõem 12 instalações, o Museo Atlántico foi inaugurado em 10 de janeiro de 2017 e é a primeira obra do artista inglês a contar com construções arquitetônicas em escala real. É o caso do muro que faz parte da obra “Crossing the Rubicon”, com 30 metros de extensão, 4 metros de altura e 100 toneladas, cercado por 35 esculturas que representam seres humanos caminhando.

lazer-museu-submerso-12

Segundo o autor, a ideia é lembrar quão irrelevantes são as noções de território no universo natural. Os trabalhos foram instalados em profundidades que variam de 5 a 14 metros, alguns deles possíveis de serem observados em um mergulho livre com snorkel. Para ver as obras mais profundas é preciso mergulhar acompanhado de um guia.

Fonte: Casa Vogue

 

Gostou? Então compartilhe!Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Share on LinkedInEmail this to someone

A nova estrutura do Museu de História Natural, em NY

13042-amnh-gilder-center-proposed-facade-winter

Um dos museus mais conhecidos do mundo, o Museu Americano de História Natural de Nova York vai ganhar uma novidade em 2020, ano em que comemora 150 anos: um anexo de 250 mil m². A construção será dedicada ao ensino da ciência, com laboratórios, salas de aula, além de espaços expositivos que vão revelar a extensa coleção científica da instituição.

1_bCwEd5X

O projeto, nomeado de “Richard Gilder Center for Science, Education, and Innovation”, custará US$ 340 milhões e vai recuperar o coração físico do museu, concluindo conexões previstas no plano original, além de realizar a nova adição. A circulação também será melhorada, já que o museu cresceu entre 3 a 5 milhões de visitantes nas últimas décadas.

3-proposed-interior-gilder-center-central-exhibition-hall-west-view-to-theodore-roosevelt-park

A estrutura é inspirada em ambientes naturais, como favos de abelhas, revelando, por meio de aberturas orgânicas, o que há por trás dos andares. Ao entrar no espaço, a luz natural de cima e a visão para várias as atividades do interior convidam a um movimento, para uma compreensão mais profunda do centro de exibições. O projeto arquitetônico surgiu da missão do museu.

2016-09-06-amnh-entry-view-edit

Fonte: Casa Vogue

Gostou? Então compartilhe!Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Share on LinkedInEmail this to someone

La casa Azul: Museu Frida Kahlo

Conhecida como La Casa Azul, uma construção de 1904 serviu como principal endereço de uma das mais impressionantes artistas latino-americanas do século passado: a pintora Frida Kahlo.

Frida-Kahlo

Foi nesta casa em Coyoacán, um dos bairros mais antigos da Cidade do México, que Frida nasceu, em 1907, cresceu com sua família, morou com o muralista Diego Rivera e morreu, em 1954.

Visitar esta construção de 800 m² é entrar no mundo íntimo dessa polêmica pintora mexicana, onde objetos pessoais, móveis e fotos estão no local como na época em que a artista dividia a casa com Rivera. O bom gosto do casal se vê materializado nos móveis coloridos de diversos ambientes e no interesse pelas artes popular e pré-hispânica.

2_cozinha

Como descreveu em 1955 o museólogo Carlos Pellicer, responsável pela montagem do museu: “Pintada de azul, por fora e por dentro, parece abrigar um pouco de céu. É a casa típica da tranquilidade de vilarejos, onde a boa mesa e o bom sono oferecem às pessoas a energia suficiente para viver sem grandes sobressaltos e morrer, pacificamente”.

Convertido em museu quatro anos após a morte de Frida, o local é um dos espaços de exposição mais visitados da capital mexicana e recebe 25 mil pessoas todos os meses.

3_estudio

Conservada como seus moradores ilustres a deixaram, a sala de jantar guarda objetos originais da época como os armários de madeira, o chão amarelo e os trabalhos de papel pendurados na parede, feitos pela artista Carmen Caballero.

Por ali passaram figuras como o escritor francês André Breton, o intelectual marxista León Trotsky e o cineasta soviético Sergei Eisenstein.

4_quarto

Um dos destaques da coleção permanente da artista em exposição na La Casa Azul é o quadro ‘Viva la Vida’, trabalho que Frida realizou oito dias antes de morrer e que é considerado uma homenagem a sua vontade de continuar viva, embora já estivesse bem debilitada.

6_viva_la_vida

 

Gostou? Então compartilhe!Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Share on LinkedInEmail this to someone

Sir Elton John expõe seu incrível acervo de fotografias

gettyimages-51545980-1-1024x791

Colecionador de fotografias modernistas desde 1991, Elton John decidiu exibir ao público parte das milhares de obras de seu acervo, uma das melhores coleções privadas de fotografia do século 20, numa exposição no Tate Modern, em Londres. A mostra “The Radical Eye: modernist photography from Sir Elton John Collection” reúne fotografias tiradas entre 1920 e 1950 por alguns dos mais consagrados artistas do século passado.

manray-glasstears

Do gênero documental a retratos, passando por trabalhos abstratos, a coleção apresenta a evolução da fotografia durante a primeira metade do século 20. As peças selecionadas para a exibição voarão de diversas partes do mundo onde o astro britânico mantém casas. No total, serão 150 imagens icônicas de mais de 60 artistas, como André Kertész, Tina Modotti, Dorothea Lange e Man Ray. Uma oportunidade única para quem ama fotografia.

_88664340_elton_john_bayerself-portrait

Até 7 de Maio 2017, no Tate Modern Museum, Londres (UK).

 

Gostou? Então compartilhe!Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Share on LinkedInEmail this to someone

Basquiat em Londres

A arte inconfundível de Basquiat poderá ser apreciada por quem visitar Londres no ano que vem. Nome importante da cena artística de Nova York nos anos 1980, ele ganhará sua primeira grande exposição no Reino Unido, 28 anos após sua morte. “Boom For Real” estará no Barbican Art Gallery e conta com 100 obras, com pinturas famosas e pouco conhecidas, incluindo também anotações e desenhos.

basquiat-8

As fortes pinturas de Basquiat, que tratam temas como injustiça racial, identidade e a cultura pop, retratam o cenário violento e caótico de Nova York nos anos 1980. Sua estreia foi em 1981, em uma mostra do MoMa P.S.1, intitulada New York/New Wave. A exposição também explora a relação de Basquiat com a música, filme e televisão, e como esses elementos impactaram no seu trabalho.

basquiat_paris_2010_f_003

“A criatividade brilhante e o poder emotivo de Basquiat continuam tendo um imenso impacto e influência em diversos artistas, cineastas e músicos. Será uma rara oportunidade para os visitantes de ver o grande corpo de alguns dos seus trabalhos mais famosos e também os pouco conhecidos em um mesmo lugar”, diz a diretora de artes visuais da Barbican, Jane Alison. Para quem já ficou ansioso para ver tudo isso de perto, um aviso: a exposição abre apenas em setembro de 2017.

Gostou? Então compartilhe!Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Share on LinkedInEmail this to someone

Humor nas fachadas de Paris

levalet-11

Vai para Paris? Vai ser impossível não notar as obras do artista Levalet (codinome do francês Charles Leval), que deixou temporariamente sua marca registrada nas paredes da cidade. São colagens com pegada nonsense, que retratam situações absurdas e fazem parecer que seus personagens inusitados estão interagindo com as fachadas dos edifícios em que foram inseridos.

levalet-5

levalet-8-9

As obras de Levalet começaram a aparecer ao ar livre em 2012, mas ele já começou a produzir exposições inteiras de pinturas, esculturas e peças de montagem diferentes para exibir em espaços fechados, mas que não perdem em nada para sua arte de rua. A exposição solo mais recente do artista, intitulada Little Box, está prestes a abrir em Berlim, mas outra forma de conhecer seu trabalho é pelo livro Des Illusions Comiques, livro que foi recentemente lançado e reúne algumas de suas melhores obras.

levalet-2

levalet-6

 

Gostou? Então compartilhe!Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Share on LinkedInEmail this to someone

Um novo olhar para o céu das grandes metrópoles

Como seria o céu das metrópoles sem luzes, fumaça e poluição? Para tentar responder a essa pergunta o artista francês Thierry Cohen fotografou grandes cidades à noite, anotando hora, ângulo, latitude, longitude e altitude.

San Francisco 37° 48’ 30’’ N 2010-10-09 lst 20:58

Usando os dados coletados como referencial, Cohen se deslocou para outras regiões que tivessem o ar limpo e pouca influência de luzes artificiais. Aproveitando-se do movimento de rotação da Terra, o artista conseguiu captar aquele mesmo céu só que dessa vez com estrelas e constelações aparentes.

cities-under-natural-light

O resultado do trabalho é uma montagem que utiliza a fotografia de cada cidade com o céu que veríamos sem a influência da luminosidade e da poluição.

paris-skyline-dome

rio-de-janeiro

Fonte: Polo Criativo

Gostou? Então compartilhe!Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Share on LinkedInEmail this to someone